Seja um Ativista Seja um Associado Faça uma Doação Lojinha Adote Sobre a PEA

 

Página Inicial

Animais
Eventos
Meio Ambiente
PEA

 

Ajude a PEA

 

Ajude a combater os maus tratos e o abandono de animais. Seu apoio é muito importante.

Faça a Diferença

Clique Aqui

Você também pode ajudar

efetuando sua contribuição nos bancos abaixo

 

Banco Itaú

 Agência: 1574

Conta Corrente: 22004-0

 

Bradesco

  Agência: 0665-3

Conta Corrente: 127.526-7

 

CNPJ: 05.872.606/0001-30

 
Acesse, Copie, Divulgue

 

 

Siga a PEA

 

 

Notícias - ANIMAIS


 

Como encontrar gatos perdidos

É muito comum cartazes espalhados por postes comunicando o sumiço de um gato. Mais comum ainda é os tutores procurarem os gatos longe de suas casas – o que é um erro grave que pode custar a vida do animal. Diferente dos cães que são, normalmente, andarilhos, os gatos, quando escapam, logo entram nos imóveis vizinhos ou dos arredores, especialmente em casas e lojas em reforma ou vazias, galpões e prédios em construção. A exceção a essa regra é quando eles entram dentro do motor de algum carro e são levados para longe pelo veículo, mas isso é mais comum com gatos filhotes.

Cris Gregory, moradora do Rio e tutora da gatinha Alícia, de apenas quatro meses, viveu recentemente esse drama. Ela percorreu diversas quadras em busca da pequena felina que, durante todo o tempo de busca, estava justamente na casa vizinha. “Já tinha andado a rua umas mil vezes e nada! Porém, a casa que ela se escondeu é ao lado da minha e tem um labrador. Por isso, foi o único lugar que achei que ela não estaria”, conta.

“Então, de madrugada, fui dar uma última volta com meu marido e ele viu um olho brilhando de longe. Ela estava embaixo do carro do vizinho. Acho que escutou nossa voz e foi para perto do portão no mesmo espaço em que fica o cachorro durante o dia. Se meu marido não a tivesse avistado nesse momento, não a teríamos encontrado”, conclui aliviada.

Alícia é somente uma entre muitos gatos que acabam correndo para dentro de uma casa com cachorros e não conseguem sair mais. Às vezes se escondem em algum quartinho nos fundos da casa vizinha e até mesmo dentro de uma máquina de lavar roupa. Por isso, mais importante que espalhar cartazes é tocar a campainha de cada um dos vizinhos e, especialmente, os que possuem cachorros, pedindo aos moradores que chequem espaços onde um gatinho poderia se esconder.

Outro ponto predileto de gatos que fogem para a rua são imóveis em reforma e prédios em construção. A fartura de locais para se esconder atrai os felinos e isso é um perigo porque, muitas vezes, eles entram no forro e em buracos dos quais não conseguem ou têm medo de sair, atrás de ferragens ou de material de construção pesado. É necessário pedir ao vigia noturno desses prédios licença para averiguar bem o local e também checar as casas em reforma ou abandonadas.

Se o gato fujão mora em prédio, a primeira coisa a fazer é procurar no estacionamento, quartinho de dispensa e atrás de entulhos ou materiais de construção, entre outros espaços onde ele possa ter entrado ou se escondido. Geralmente, gato de prédio se esconde no próprio edifício e o tutor perde precioso tempo buscando-o na rua. Existe possibilidade, inclusive, dele entrar no apartamento vizinho pela janela ou uma porta sem ser visto.

Os cartazes são válidos e importantes também, mas essa busca na vizinhança é crucial e deve ser feita diariamente. Outra medida que ajuda é colocar no gato uma coleira elástica com telefone do tutor. Isso impõe algum respeito porque mostra que ele tem casa e ajuda para que ele não seja maltratado por pessoas estranhas. A coleira também ajuda no caso dele sofrer algum acidente na rua. Quem encontrá-lo ficará mais seguro para buscar socorro emergencial sabendo que o animal tem um tutor.

Caso Dianna

Apesar de morar num apartamento telado em SP, Dianna escapou duas vezes. Na primeira pulou por um pequeno vitrô do banheiro e, como morava no primeiro andar, não se machucou e correu para trás de materiais de construção no estacionamento do edifício, onde ficou o dia todo sem soltar um pio, ou melhor, um miado. Foi encontrada por sugestão de um vizinho que alertou: “Ela deve estar escondida no próprio prédio”.

Na segunda vez Dianna conseguiu escapar pela porta da frente quando sua tutora, pela manhã, saía para o trabalho. Ao mesmo tempo, o vizinho ao lado também estava saindo e Dianna entrou no apartamento sem ser vista. A sorte é que ela miou em alguns momentos à noite e a tutora pôde então, no retorno para casa, perceber que ela estava no vizinho.

Caso Amarelinho

O gatinho Amarelo nunca saía de casa num pacato bairro de SP. Castrado e tranquilo, seu tutor não se preocupou em telar a casa. Mas uma noite Amarelo quis se aventurar e entrou numa loja bem próxima que estava em reforma. Entrou, mas não soube sair e, para piorar a situação, logo cedo, no dia seguinte, chegaram os pedreiros. Amarelo, em pânico, se escondeu no forro e ficou lá por uma semana.

Enquanto isso, seu tutor espalhava cartazes por todo o bairro, inclusive, oferecendo recompensa para quem achasse o Amarelo. Foi em vão. O gatinho só foi encontrado porque o tutor foi instruído a procurar nos imóveis vizinhos. Então, de dia, achou Amarelo imóvel no forro da loja. Estava bem magro. Provavelmente sobreviveu bebendo água da chuva e comendo alguma barata.

Então regra básica para encontrar gatos perdidos: primeiro olhe em sua própria casa ou prédio, depois nos vizinhos e, por fim, no quarteirão ou arredores seguindo as dicas dadas acima.

*Fátima ChuEcco é jornalista ambientalista e atuante na causa animal

Fonte: ANDA / Fátima ChuEcco

Data: 18/4/2017 13:45:15

Compartilhe a notícia:

>voltar<