Seja um Ativista Seja um Associado Faça uma Doação Lojinha Adote Sobre a PEA

 

Página Inicial

Animais
Eventos
Meio Ambiente
PEA

 

Ajude a PEA

 

Ajude a combater os maus tratos e o abandono de animais. Seu apoio é muito importante.

Faça a Diferença

Clique Aqui

Você também pode ajudar

efetuando sua contribuição nos bancos abaixo

 

Banco Itaú

 Agência: 1574

Conta Corrente: 22004-0

 

Bradesco

  Agência: 0665-3

Conta Corrente: 127.526-7

 

CNPJ: 05.872.606/0001-30

 
Acesse, Copie, Divulgue

 

 

Siga a PEA

 

 

Notícias - ANIMAIS


 

Vira-lata baleada por policial volta para casa após ter tratamento pago por anônimo na Capital

Autor(a): Aline Torres

Eliane Aparecida da Luz Ferreira ligou para a família, os amigos, para o banco. Precisava de R$ 795. O sono foi entrecortado pelo agonizante tic-tac da dívida. No balcão da padaria onde trabalha, no Monte Cristo, foi colocada uma pequena caixa de papelão para angariar doações. A comunidade se solidarizou e em quatro dias R$ 143 ocupavam a caixa. Mas a quantidade era insuficiente para tirar a vira-lata Bolina da clínica veterinária particular onde ficou internada em estado grave por sete dias. Ela foi medicada com um similar a morfina e sobreviveu a uma cirurgia de cinco horas. Recebeu seis pinos na pata, esfacelada por um tiro de pistola ponto 40, disparado por um soldado do 22° BPM (Batalhão da Polícia Militar).

Na segunda-feira à tarde o telefone tocou. Eliane, que usava seu intervalo na peregrinação por empréstimo, demorou a atender. Na terceira chamada, o homem que se manteve anônimo divulgou: “A senhora não precisa mais se preocupar. Li sua história. A dívida na clínica está paga”. A fala da padeira ficou quase indecifrável, entre palavras e lágrimas, de alívio e surpresa, pela generosidade do desconhecido. “Ele só falou: ‘quando fizeres tuas orações peça por mim’, mas não me deixou agradecer”, conta.

O drama de Bolina teve um desfecho feliz – ela já voltou para casa -, mas outros cães padeceram com o abuso da PM, como a vira-lata Chitara, morta com um tiro na cabeça, no bairro Ilha Continente, no mesmo dia que Bolina foi atingida, 1º de agosto, ou a pointer Fany, fuzilada com cinco tiros, na praia das Palmeiras, em Itaguaçu, dia 26 de outubro do ano passado. O pitbull Zaru sobreviveu a um tiro de fuzil na cabeça, e hoje sofre de epilepsia.

O advogado Amarildo Miranda, que representa gratuitamente Eliane, informou que entrará com um processo na Justiça Militar. “Todos os argumentos do soldado que atirou na Bolina são silenciados pela omissão de socorro ao animal. Ele é um funcionário do Estado, estava fardado, atingiu o animal, deixou agonizando e foi embora. O Código Penal julga esse ato como criminoso”, disse. Miranda salientou que não deixará o caso impune.

As investigações sobre a morte de Fany já foram encerradas. O policial do PPT (Pelotão de Patrulhamento Tático) não recebeu punições administrativas. “Não houve indícios que apontassem desvio de conduta do policial”, afirmou o coronel Ilon Joni.

Penas brandas

Não existem estatísticas sobre casos de maus tratos aos animais. As investigações não apontam culpados. As sindicâncias da PM são sigilosas. Legisladores elencam como dificuldades a lei branda e a dificuldade de provar a autoria e até um possível abuso de autoridade, nos casos que envolvem policiais.

O artigo 32, da lei 9.605/98, prevê detenção de três meses a um ano para os agressores, acrescida de um terço em caso de morte. Quando o crime envolve armas de fogo e expõe outras pessoas a riscos, o agressor responde por mais de um tipo de crime e a pena pode subir. “Como o crime é de menor potencial ofensivo, os agressores estão sujeitos a penas alternativas”, disse o promotor Júlio Fumo Fernandes, coordenador do Centro de Apoio do Meio Ambiente do Ministério Público Estadual. Ele concorda que a lei, às vezes, é “branda”.

No Centro de Controle de Zoonozes da Capital, no Itacorubi, sob a coordenação da diretoria de Bem-Estar Animal, são registradas denúncias diárias de violência contra animais, mas apenas uma pessoa cumpre pena. Fernandes informa que o MP pode ser procurado caso a autoridade policial descumpra seu papel. Uma das alternativas, segundo o promotor, é a prevenção e a reeducação, para conscientização que “a vida de um animal não vale menos”, diz.

Fonte: ND Online

Data: 11/8/2012 17:46:45

Compartilhe a notícia:

>voltar<