Seja um Ativista Seja um Associado Faça uma Doação Lojinha Adote Sobre a PEA

Página Inicial

 

Ajude a combater os maus tratos e o abandono de animais. Seu apoio é muito importante.

Faça a Diferença

Clique Aqui

Você também pode ajudar

efetuando sua contribuição nos bancos abaixo

 

Banco Itaú

 Agência: 1574

Conta Corrente: 22004-0

 

Bradesco

  Agência: 0665-3

Conta Corrente: 127.526-7

 

CNPJ: 05.872.606/0001-30

 
Acesse, Copie, Divulgue

 

 

Siga a PEA

 

 

Curiosidades


Textos sobre Animais Diversos

 

A História de uma Raposinha

O Pássaro Cativo

A Ponte do Arco Íris

Os Melhores Amigos

Eu Não Sabia

Se Eu Pudesse Falar

Você Diz

Não Matarás

A União É a Lei da Sobrevivência

Os 10 Mandamentos do Cão e do Gato

Carta do Seu Pet do Céu

Oração dos Animais

Os Animais de Poder

 

 

A História de Uma Raposinha - A Verdadeira História por Trás de um Casaco de Peles

 

Olá, meu nome é Vida, sou uma raposa vermelha e tenho 5 anos de idade. Hoje vou contar a história da minha mamãe, que hoje, infelizmente, não está mais aqui entre nós.

 

Minha mamãe era uma linda raposa, jovem, alegre e cheia de vitalidade. Ela tinha um pêlo extremamente brilhante e sedoso. Ela era companheira, cuidadosa, uma mãe exemplar. Compartilhávamos um amor incondicional. Ela nunca me deixava sozinha. Estava sempre ao meu lado, onde quer que eu fosse. Mamãe era perfeita. Nós éramos muito felizes e unidas! Mas, drasticamente, nossas vidas mudaram!

 

Era uma manhã de inverno, eu ainda era um bebê. Eu e minha mamãe brincávamos com a neve que caia. Sempre fazíamos isso, nos divertíamos muito. Resolvemos correr entre as árvores, eu estava na frente e mamãe vinha logo atrás. De repente, escutei um estalo muito alto e um grito de dor. Olhei para trás e vi minha mamãe caída, com sua patinha presa entre enormes garras de ferro. Pela primeira vez em minha vida eu vi sangue. Pela primeira vez eu vi a expressão da dor estampada nos olhos brilhantes de mamãe. Entrei em pânico, o desespero tomou conta de mim. Eu precisava fazer algo, precisava salvar mamãe. Ela gritava de dor, lágrimas escorriam pelos seus olhos, o sofrimento era grande. Ela tentava se soltar, mas não conseguia. Quanto mais ela se esforçava para se libertar, maior ficava o ferimento de sua pata.

 

Mesmo ferida mamãe se preocupava comigo. Mesmo ferida mamãe dizia: Vida mamãe ama você, mamãe não irá lhe abandonar, mas fuja, salve sua vida minha querida filha!

 

Corri, por entre a mata coberta de neve, a procura de ajuda, mas infelizmente não encontrei nada. Voltei para perto de mamãe. Não iria jamais abandoná-la. Ela nunca me deixou sozinha, ela me deu a vida e eu devia muito a ela. Mas, quando cheguei bem próxima a ela, vi um homem grande com uma bota preta pisando em seu pescoço. Mamãe tentava respirar, tentava lutar para sobreviver, mas não conseguia. Ela estava muito fraca, havia perdido muito sangue. Foi então que o homem ergueu um pedaço de pau e bateu com toda a sua força na cabeça da mamãe. Ela caiu, e em seu último suspiro de vida, me pediu, mais uma vez, que corresse. Seus lindos olhos se fecharam eternamente.

 

Escondida, vi o homem arrastando o corpo, ainda quente, de mamãe. Segui o rastro vermelho de sangue que se destacava entre a neve branca. Para onde esse homem estaria levando a minha mamãe? Por que ele a tirou de mim? Por que ele torturou e matou a minha mamãe?  Por que tanto sofrimento? Ela nunca fez mal a ninguém. Eu a amava tanto. Ela tinha tanto a me ensinar. Nós ainda tínhamos tanto a viver... Era difícil de mais, para mim, acreditar no que estava vendo.

 

Por horas a fio segui o rastro da crueldade. Já estava cansada de caminhar quando vi o homem entrar em um lugar escuro. Ele pegou minha mamãe e a jogou em cima de uma mesa manchada de sangue. Com uma faca enorme ele começou a rasgar o corpo dela. Arrancou toda a sua pele e jogou o corpo de mamãe em um saco de lixo. Mamãe estava irreconhecível, sem sua pele linda, sem vida.  Esse homem acabou com uma família. Esse homem destruiu 2 vidas. Mas por que? Por que tanto ódio? O que mamãe havia feito de tão errado para ser assassinada desse jeito! Por alguns segundos fiquei em silêncio, a dor de perder minha mamãe era grande de mais.

 

De repente, escutei muitos gritos. Fui ver o que era... Não... Não podia ser verdade. De um lado de um galpão havia dezenas de jaulas imundas, com um monte de bichinhos peludos como eu. Eu vi bichinhos machucados, mutilados e mortos. Muitos gritavam de fome, sede e frio... Eles tentavam sair das jaulas, mas não conseguiam. Era lugar horrível, triste, fedia a morte. Era muito sofrimento. Do outro lado eu vi um monte de cadáveres ensangüentados. Estavam iguais à mamãe. Ainda estavam quentes, tinham acabado de ser mortos... Mas por que? O que esse homem queria com as peles desses pobres animais? O que ele queria com a pele da minha mamãe?

 

Sai correndo dali, dei a volta no galpão e avistei o homem arrumando um monte de peles. Não estava entendendo o que ele estava fazendo até uma mulher entrar e colocar aquelas peles sobre o seu corpo. Ela saiu feliz carregando em suas costas uma raposa morta. Foi ai que descobri o porquê minha mamãe morreu.

 

Destruída por dentro, fui embora, sem destino... Caminhei sobre a neve gelada sozinha, sem minha mamãe. Pensei em tudo o que vi e senti. Quis morrer ali... Estava muito mal, confusa. Estava triste por não conseguir salvar minha mamãe e os bichinhos que estavam presos naquelas jaulas. Era difícil de mais aceitar o fato de que a morte de bichinhos como eu significava a felicidade de muitos homens e mulheres.

 

Durante anos tentei achar uma justificativa para a covardia que o homem insiste em cometer contra as nossas espécies. Não há argumentos... Infelizmente, entre os seres humanos, existe algo que não há entre nós: a ganância. Por ela, o Homem tortura e mata seres inocentes.

 

Sabe, hoje eu vi minha mamãe... Ela estava enrolada no pescoço de uma mulher. Ela estava bem diferente do que era. O seu pêlo, que antes era lindo, agora estava feio, não tinha mais brilho, não estava mais sedoso. O seu pêlo cheirava a morte e sofrimento.  Eu sinto muita saudade de minha mamãe. Nunca mais a terei de volta. Nunca mais poderei brincar com ela em uma manhã de inverno, pois minha querida mamãe foi cruelmente morta para virar um casaco de peles!

 

Por isso, eu nome de todos os animais que são perseguidos por suas peles, eu imploro a vocês: NÃO USEM PRODUTOS QUE SEJAM FEITOS DE PELES DE ANIMAIS. PELE É SINÔNIMO DE TORTURA E MORTE!

 

Viva sem crueldade!

 

Obrigada

Vida!

 

Autoria Gabriela Toledo

 

>voltar<

 

 

Oração dos Animais

Senhor, também nosso Deus! Somos humildes em nossa essência, e com essa humildade é que Vos pedimos, Pai, apressai-Vos em nos socorrer!

 

Precisamos de Vosso auxílio vindo como um raio de luz porque somos maltratados, abandonados,torturados, enxotados das portas e vemos nossas vidas se extinguirem mais e mais, todos os dias, indiscriminadamente pelas mãos violentos do homem.

 

O mesmo homem, Pai, que há milhares de anos nos permitiu cruzar para que em sua soberba, nos fizesse escravos, auxiliando como mão-de-obra nos trabalhos e na guarda de suas cabanas. Sim Pai, fomos utilizados pelos homens de todas as formas e sofremos todas as atrocidades da escravidão, culminando nossa velhice em abandono de nossos corpos ainda vivos em campos solitários.

 

O mundo evoluiu através das mãos dos homens e alguns de nós, os de raça, se tornaram adornos domésticos. A nós, os sem raça, coube apenas um banco frio e úmido nas praças para que nos escondamos sob ele, e vez por outra, uma mão amiga que passa e nos sacia a fome e a sede, algumas mãos até nos acarinhando. Mas elas se vão, e a nossa realidade solitária fica conosco, em nossas vidas.

 

Outras mãos chegam para nos atormentar, ferir e nos enxotar.

 

E quando estas mãos cruéis chegam à nossa volta, rezamos Pai, para que apenas nos enxotem, porque as torturas são bárbaras, nos causam muita dor.

 

Óh, Pai! De seres úteis para o trabalho, passamos a ser a escória de nossa própria espécie, uma escória que precisa, segundo o homem, ser dizimada nos campos de concentração, aos quais a espécie humana carinhosamente chama de '''carrocinha"".

 

Senhor, não temos sabedoria suficiente para compreender no que somos diferentes dos nossos irmãos com raça definida. Por acaso não temos olhos para ver, ouvidos para ouvir, voz para nos expressarmos, quatro patas para nos locomover, pelos cobrindo nosso corpo, inteligência e sensibilidade para amar intensamente aos nossos donos, a ponto de compreendermos o estado de suas almas?

 

Quase não damos gasto, Senhor, somos mais resistentes fisicamente, comemos qualquer coisa e quase nada nos faz mal; qualquer pedaço de sabão nos lava o corpo e a qualquer dono amamos incondicionalmente. Moramos em qualquer cantinho, tomamos sol e chuva sobre o dorso, passamos frio e calor ardente, e ainda assim quase nunca adoecemos, e ainda assim amamos nossos donos. Alguns, Pai, nos espancam por nada ou pelo tudo de suas vidas vazias, outros nos amarram com cordas envolvendo nosso pescoço, cordas estas que nos ferem, e apesar disso, continuam tendo nosso afeto e nossa fidelidade.

 

Por que, Pai, por que não nos querem, por que nos abandonam? Nem sempre somos o exemplo da beleza física terrena, mas somos incondicionalmente o mais claro exemplo da beleza espiritual e de um belo coração.

 

Sentimos dor e medo como nossos irmãos de raça, mas defendemos nossos donos acima das nossas próprias vidas, com coragem e determinação. E ainda assim, somos abandonados.

 

Óh, Pai, vem em nosso socorro. Apresssai-Vos Pai!

 

Somos assassinados aos milhares todos os dias em nome da saúde do homem. Somos centenas deixados longe de casa diariamente, por aqueles que nos prometeram afeto.

 

Estamos morrendo, Pai! Mais do que a morte do corpo, nosso espírito se sente morrer de tristeza pela dor do abandono e do desprezo!

 

Apressai-Vos Pai, apressai-Vos em nos socorrer!

 

Impetrai no coração do homem a bondade que se perdeu nos corredores do tempo, que se limitou aos elos do passado.

 

Impetrai no mundo a volta do respeito às Vossas leis, à Vossa presença que se reflete na vida por mais singela que seja, a mesma vida que Vós, Pai, com tanto amor criastes!

 

Ajudai àquelas pessoas que lutam sinceramente por nós, para nos manter vivos, para nos arrumar um lar,e que muitas vezes acima de suas posses nos mantém, nos curam as doenças do corpo. Dai a elas a força para prosseguir nessa luta, a coragem para tomar à frente por nós diante de sua própria espécie, e as cubra de bençãos com teu manto de luz e de prosperidade para que tenham meios de nos cuidar. Apressai-Vos Pai, e ajudai-nos a encontrar um lugar, o NOSSO lugar no mundo. Ainda que este lugar Pai, esteja entre o grito silencioso dos nossos irmãos sacrificados e as palavras dos protetores em nossa defesa, em busca de uma chance de podermos continuar vivendo, em nome do respeito que eles têm por Vós e do amor sincero que têm por nós!

 

Autoria desconhecida

 

>voltar<

 

 

O Pássaro Cativo

O Pássaro Cativo

Armas, num galho de árvore, o alçapão

E, em breve, uma avezinha descuidada,

Batendo as asas cai na escravidão.

Dás-lhe então, por esplêndida morada,

Gaiola dourada;

 

Dás-lhe alpiste, e água fresca, e ovos e tudo. 

Por que é que, tendo tudo, há de ficar

O passarinho mudo,

Arrepiado e triste sem cantar?

É que, criança, os pássaros não falam.

 

Só gorjeando a sua dor exalam,

Sem que os homens os possam entender;

Se os pássaros falassem,

Talvez os teus ouvidos escutassem

Este cativo pássaro dizer:

 

"Não quero o teu alpiste!

Gosto mais do alimento que procuro

Na mata livre em que voar me viste;

Tenho água fresca num recanto escuro

 

Da selva em que nasci;

Da mata entre os verdores,

Tenho frutos e flores

Sem precisar de ti!

 

Não quero a tua esplêndida gaiola!

Pois nenhuma riqueza me consola,

De haver perdido aquilo que perdi...

Prefiro o ninho humilde construído

 

De folhas secas, plácido, escondido.

Solta-me ao vento e ao sol!

Com que direito à escravidão me obrigas?

Quero saudar as pombas do arrebol!

Quero, ao cair da tarde,

Entoar minhas tristíssimas cantigas!

Por que me prendes?  Solta-me, covarde!

Deus me deu por gaiola a imensidade!

Não me roubes a minha liberdade...

Quero voar! Voar!

 

Estas cousas o pássaro diria,

Se pudesse falar,

E a tua alma, criança, tremeria,

Vendo tanta aflição,

E a tua mão tremendo lhe abriria

A porta da prisão...

 

Autoria: Olavo Bilac

 

>voltar<

 

 

A Ponte do Arco Íris

Diz a lenda que nenhum dono de gatos entra no céu sem antes passar por um lugar onde seus gatos vêm lhe dar as boas vindas ao paraíso.

 

Este lugar especial do céu é chamado Ponte do Arco-Íris. Todos esses animais especiais que foram amados e acariciados por seus donos vêm parar aqui, onde há prados e colinas verdejantes onde eles podem correr e brincar juntos. Há bastante comida, água e raios de sol, e nossos amigos ficam aquecidos e confortáveis.

 

Todos os animais que se foram doentes e velhos recuperam a saúde e voltam ao velho vigor. Os que estavam feridos ou mutilados se tornam novamente fortes e inteiros, como nós nos lembramos deles em dias passados. Os animais deste lugar estão sempre contentes, com exceção da saudade que sentem de alguém que era muito especial para eles e que tiveram que deixar para trás.

 

Na Ponte do Arco-Íris, todos os animais passam o dia inteiro brincando e correndo juntos, mas volta e meia um deles pára de repente e fixa o olhar no horizonte. Seus olhos se tornam luminosos e ternos, e o pequeno corpo começa a tremer de emoção! De repente, aquele afortunado corre para longe do grupo, e voa por cima da grama, com suas pequenas pernas a levá-lo cada vez mais rápido.

 

Você acabou de chegar ao céu, e, quando você e seu amigo especial finalmente se encontram, você o agarra junto ao corpo com a certeza de jamais se separarem novamente. Você enche de beijos sua face, suas mãos mais uma vez acariciam sua cabecinha amada, e você olha dentro de seus olhos confiantes, há tanto tempo não vistos, mas nunca esquecidos em seu coração.

 

E então, vocês cruzam a Ponte do Arco-Íris juntos, rumo à vida eterna...

 

Autoria Desconhecida

 

>voltar<

 

 

Os Melhores Amigos

Um homem, seu cavalo e seu cão, caminhavam pela estrada.

 

Depois de muito caminhar, esse homem se deu conta de que ele, seu cavalo e seu cão haviam morrido num acidente. Às vezes os mortos levam tempo para se dar conta de sua nova condição.

 

A caminhada era muito longa, morro acima, o sol era forte e eles ficaram suados e com muita sede. Precisavam desesperadamente de água.

 

Numa curva do caminho, avistaram um portão magnífico, todo de mármore que conduzia a uma praça calçada com blocos de ouro, no centro havia uma fonte de onde jorrava água cristalina. O caminhante dirigiu-se ao homem que numa guarita, guardava a entrada.

 

- Bom dia, ele disse:

 

- Bom dia, respondeu o homem.

 

- Que lugar é este, tão lindo?

 

- Isto aqui é o céu, foi a resposta.

 

- Que bom que nós chegamos ao céu, estamos com muita sede, disse o homem.

 

- O senhor pode entrar e beber água à vontade, disse o guarda, indicando-lhe a fonte.

 

- Meu cavalo e meu cachorro também estão com muita sede.

 

- Lamento muito. Aqui não se permite a entrada de animais, disse o guarda.

 

O homem ficou muito desapontado porque sua sede era grande . Mas ele não beberia, deixando seus amigos com sede. Assim, prosseguiu seu caminho.

 

Depois de muito caminharem morro acima, com sede e cansaço multiplicados, ele chegou a um sítio, cuja entrada era marcada por uma porteira velha semi-aberta.

 

A porteira se abria para um caminho de terra, com árvores dos dois lados que lhe faziam sombra.

 

Á sombra de uma das árvores, um homem estava deitado, cabeça coberta com um chapéu, parecia que estava dormindo.

 

- Bom- dia, disse o caminhante.

 

_ Bom- dia, respondeu o homem.

 

- Estamos com muita sede eu, meu cavalo e meu cachorro.

 

- Há uma fonte naquelas pedras, disse o homem indicando o lugar. Podem beber a vontade.

 

O homem, o cavalo e o cachorro foram até a fonte e mataram a sede.

 

- Muito obrigado, ele disse ao sair.

 

- Voltem quando quiserem, respondeu o homem. - A propósito, disse o caminhante, qual é o nome deste lugar?

 

- Céu, respondeu o homem.

 

- Céu ? Mas o homem na guarita ao lado do portão de mármore, disse que lá era o céu.

 

- Aquilo, não é o céu. Aquilo é o inferno.

 

O caminhante ficou perplexo.

 

- Mas, então disse ele, essa informação é falsa. Deve causar grandes confusões.

 

- De forma alguma, foi a resposta. Na verdade, eles nos fazem um grande favor. Porque lá ficam aqueles que são capazes de abandonar seus melhores amigos.

 

Autoria Desconhecida

 

>voltar<

 

 

Eu Não Sabia

No início de julho de 1990 foi publicado um artigo em um jornal de Halifax sobre um pescador de 61 anos na Nova Scotia que bateu com um porrete em uma tartaruga "leatherback" cuja espécie está ameaçada de extinção e que foi capturada na rede de pescar.

 

O animal foi golpeado 6 vezes na cabeça com um martelo e um remo. Foi arrastado até a praia, onde foi liberado da rede e nadou de volta para o mar gravemente ferido.

 

"Eu não sabia que não era pra matar" - foi o que o pescador disse em sua defesa.

 

Pessoas como esse pescador são muitas no mundo. Isso me faz imaginar como essas pessoas cresceram da infância, quando o afeto e empatia pelos animais é maior, para a idade adulta na qual matar é a primeira e única reação quando em conflito com um animal.

 

Tão logo a criança nasce, inevitavelmente, alguém vai colocar um bichinho de brinquedo no berço antes da criança ser posta para dormir nele. Na maioria das vezes, esses bichinhos empalhados não são apenas brinquedos - eles são amigos que dão proteção e conselhos.

 

Além dos animais de brinquedo, acrescentam-se inúmeras estórias para crianças tendo animais como personagens centrais - animais que ensinam as crianças o que é certo e o que é errado, bem como ensinam boas maneiras, bondade e justiça.

 

Então, um dia, essa criança fica confusa por ter sido posta de castigo pelos pais por ter atirado uma pedra no cachorro do vizinho - e mesmo assim, descobre que o Papai envenenou aquele bicho que costumava passar ali perto. Descobre que há um passarinho na casa que não pode usar suas asas porque é mantido em uma gaiola pequena e bonita. E descobre que a Mamãe tem uma coisa pendurada no cabide do armário que se parece muito com o cachorro do vizinho.

 

E um dia, a criança chega em casa e pergunta se é verdade o que a professora disse: que o hambúrguer vem das vacas que são mortas e que aquele caldo vermelho que os pais sempre disseram que era "parte do bife", na verdade, é sangue. E a criança ouve que não é para ela se preocupar com isso porque é para isso que os animais nascem.

 

Então, em um outro dia, a Mamãe guarda ou joga fora seus bichinhos de pelúcia, o Titio aparece e põe uma espingarda de caça nas mãos dessa criança de 12 anos, dizendo que ele vai mostrar o que as pessoas fazem com os bichos de verdade.

 

E não muito depois, na escola, os hamsters,camundongos e coelhos - que essa criança se lembra de vê-los brincar no jardim de infância - estão flutuando em jarras de formol nas prateleiras da sala durante as aulas de biologia, e o professor ensina essa criança a maneira correta de matar o sapo antes de cortá-lo em pedaços para aprender as maravilhas da vida.

 

E antes dessa criança se tornar adulta, ela aprendeu que os animais de verdade são infecciosos, mal-cheirosos, perigosos e não merecem respeito.

 

Ela aprendeu que os animais estão no mundo para a sua gratificação, e que as lições valiosas que aprendeu em sua infância só se aplicam a humanos.

 

Então essa criança se torna o pescador de 61 anos, que fica tão surpreso quando uma criatura que compartilha o mar com os peixes aparece em sua rede, que sua única solução foi golpear a cabeça da criatura até que se abrisse.

 

E tudo o que seus pais, seus professores, sua sociedade e sua religião ensinaram a essa criança em todos os anos de sua vida podem ser resumidos nessas 8 palavras:

 

"Eu não sabia que não era pra matar."

 

Autoria Desconhecida

 

>voltar<

 

 

Se Eu Pudesse Falar

Se Eu Pudesse Falar...
Não passe tão indiferente
só porque eu não sou gente,
só porque não sei falar.

Também sou um ser vivente,
sinto as dores que você sente
mas não posso me expressar.

Sou um bicho abandonado,
pela vida maltratado,
quase sempre escorraçado,
até mesmo apedrejado!

Vivo sedento e faminto,
ninguém quer saber o que sinto!
Se fico doente e triste
Vem logo a sentença fatal:
-Melhor matar este animal!

-Ele deve estar raivoso!
Para sua comodidade
vive dizendo inverdade,
fazendo muita maldade.

Mas para a raiva humana,
ainda não existe remédio,
com toda a evolução na história da medicina!

Olhe bem para meu semblante:
- Estou triste, apavorado,
pois a qualquer instante,
posso ser sacrificado!

Mas você não se importa
nem com o seu semelhante!
- Você sim, está doente,
egoísta, indiferente.

Mas se algo ruim lhe acontece
logo lembra que Deus existe,
chora, reza e faz prece...

Mas Deus só ajuda aquele
que de todos se compadece.

Lembre-se do que escreveu
São Francisco de Assis:
- Quem maltrata um animal
jamais poderá ser feliz!
 

Autoria Desconhecida

 

>voltar<

 

 

Você Diz

Você diz:

Eu amo as flores,

Mas você as colhe...

Eu amo as árvores,

Mas você as corta...

Eu amo os pássaros,

Mas você os prende...

Eu amo os animais,

Mas você os come...

Eu amo a terra,

Mas você a polui...

E agora eu sinto medo, pois você está me dizendo

Eu te amo!

 

Autor: Herman Waetzl

 

>voltar<

 

 

Não Matarás

O que nos dá o direito de pensar que somos livres para matar?

Quem pode julgar o valor da vida de um inseto?

Quem tem a capacidade de julgar ser pouco importante a existência de um rato ou de um pernilongo?

Como saber discernir o valor exato de cada vida? Qual os parâmetros a serem seguidos? Qual é a medida?

Quem somos nós para pensarmos ser Deus? Quem nos deu esse poder ?

Todo mundo e ninguém.

Ninguém tem o poder de exterminar. Ninguém tem o poder de aniquilar. Ninguém tem o poder de ferir e matar deliberadamente.

Mas todo mundo julga tê-lo.

Já me vi em situações muito engraçadas. Ao pegar uma barata com uma toalha para não machucá-la e pô-la para fora de casa ao invés de matá-la, como falaram !

Ao tocar pacientemente um besouro para um canteiro em pleno Pão de Açúcar, me olharam como se fosse doida...

Ao salvar um pombo das mãos de moleques que o apedrejavam, logo alguém me disse: "é só um pombo, tem tantos, são sujos, transmitem doenças..."

Ao que eu respondi: "se for por isso... nós também !"

Afinal, quem somos nós para julgar quem é nocivo a quem ou quem traz doenças e problemas de saúde ? Não podemos nos esquecer jamais de que fomos uma das últimas espécies a aparecer no planeta. Os animais já existiam. Eles habitaram a Terra antes de nós. 

Se há alguma espécie perniciosa, infecciosa e destrutiva é a espécie humana, que só tem feito exterminar, chacinar e se espalhar como uma praga por todos os cantos do planeta. E alguém cogita em acabar com ela ?

Não matar não é nada fácil. Sabemos disso. Qual de nós pode dizer que nunca matou?

Ninguém.

Matamos os ratos que invadem as casas, matamos os insetos que destroem as colheitas, matamos as formigas que entram na despensa, matamos sem dó os mosquitos que transmitem a dengue.

Não é disso que estou falando. Essa é uma morte que defende a vida. Uma morte infelizmente necessária. Uma morte miseravelmente importante para a manutenção da vida.

O mais importante em tudo isso é saber discernir.

Porque matar um sapo que entra em seu quintal ? O que ele lhe fez de mal ?

Porque atirar pedras em uma ave inofensiva ?

Porque arrancar as aranhas das teias ou esmagar formigueiros no campo ?

Porque arrancar as flores e folhas das árvores apenas para exibi-las em sua casa ? Ou pior ainda, por passatempo ?

A vida é uma dádiva sagrada.

A vida é um presente de Deus.

Não nos cabe julgar seu valor.

Não nos cabe elevar uma vida em detrimento de outras.

Todos somos importantes, somos peças da grande engrenagem do mundo.

E cada peça se encaixa num grande e perfeito organismo...

Portanto, não matarás o inseto que cruza seu caminho.

Não matarás o pequeno gafanhoto que sobe em seu dedo.

Não matarás as abelhas no parque.

Não matarás a aranha que tece sua teia delicada.

Não matarás as aves nem as aprisionará.

Não matarás por puro prazer, nem por motivos fúteis.

Não promoverás devastações sem sentido, nem darás vazão à tua fúria destrutiva.

Não descontarás sua ira em cima das plantas e dos animais.

Talvez então te salve a ti mesmo.

Talvez assim a consciência se assossegue.

Talvez então tenhas a paz.

 

Autoria Desconhecida

 

>voltar<

 

 

A União É a Lei da Sobrevivência

Durante um a era glacial, muitos animais não resistiram frio intenso e morreram indefesos, por não se adaptarem às condições do clima hostil.

 

Foi então que uma grande manada de porcos-espinhos, numa tentativa de proteger-se e sobreviver começou a se unir, e juntar-se mais e mais.

 

Assim cada um podia sentir o calor do corpo do outro.

 

E todos juntos, bem unidos, agasalhavam-se mutuamente, aqueciam-se enfrentando por mais tempo aquele inverno rigoroso.

 

Porém vida ingrata, os espinhos de cada um começaram a ferir os demais companheiros, justamente aqueles que lhes forneciam o calor vital, questão de vida ou morte.

 

E afastaram-se feridos, magoados, sofridos.

 

Dispersaram-se, por não suportarem mais tempo o espinho de seus semelhantes.

 

Doíam muito...

 

Os que não morreram voltaram a se aproximar, pouco a pouco, com jeito, com precaução, de tal forma que unidos, cada qual conservava certa distancia um do outro, mínima, mas o suficiente para conviverem sem se magoar, sem causar danos recíprocos.

 

Assim suportaram a era glacial. Sobreviveram.

 

Autoria Desconhecida

 

>voltar<

 

 

Os 10 Mandamentos do Cão e do Gato

01) Minha vida deve durar entre 10 e 15 anos. Qualquer separação será muito dolorosa para mim;

 

02) Me dê algum tempo para entender o que você quer de mim;

 

03) Tenha confiança em mi. É fundamental para o meu bem estar;

 

04) Não fique zangado comigo por muito tempo. E não me prenda em nenhum lugar como punição. Você tem seu trabalho, seus amigos, suas diversões. Eu só tenho você;

 

05) Fale comigo de vez em quando. Mesmo que eu não entenda suas palavras, compreendo muito bem seu tom de voz e sinto o que você está me dizendo. Isso ficará gravado em mim para sempre;

 

06) Antes de me bater, lembre sempre que eu tenho dentes que poderiam feri-lo seriamente, mas que nunca vou usá-los em você;

 

07) Antes de me censurar por estar sendo vadio, preguiçoso ou teimoso, pergunte antes se não há alguma coisa me incomodando. Talvez eu não esteja me alimentando bem. Posso estar resfriado. Ou também meu coração que está ficando velho e cansado;

 

08) Cuide de mim quando eu ficar velho. Você também vai ficar;

 

09) Não se afaste de mim em meus momentos difíceis ou dolorosos. Nunca diga "prefiro não ver" ou "faz quando eu não estiver presente";

 

10) Tudo é mais fácil para mim com você do meu lado.

 

Autoria Desconhecida

 

>voltar<

 

 

Carta do Seu Pet do Céu

À minha família querida,

Eu gostaria de dizer algumas palavras, mas primeiro de tudo, quero que você saiba que estou escrevendo da ponte do Arco-íris.

Aqui eu moro com Deus.

Aqui não existe choro nem sofrimento.

Aqui existe somente o amor eterno.

Por favor não fique triste

Por eu não estar por perto.

Lembre-se que eu estou com você

Todas as manhãs, tardes e noites.

Naquele dia que eu deixei você

Quando a minha vida na terra terminou

Deus me pegou no colo, me abraçou

E disse, "Seja bem-vindo".

É bom ter você de volta novamente,

Todos sentiram sua falta.

E quanto à sua família querida,

Eles estarão aqui qualquer dia."

Deus me deu uma lista de coisas

Que Ele quer que eu faça,

E o mais importante da lista

É tomar conta de você.

E quando você estiver deitado na cama

Com as tarefas do dia terminadas,

No meio da noite eu e Deus estaremos perto de você.

Quando você se lembrar da minha vida na terra,

E de todos aqueles anos adoráveis

Que passamos juntos,

Por você ser humano,

Provavelmente vai chorar.

Mas não tenha vergonha de chorar

É bom e alivia a dor.

Lembre-se de que não existiriam flores se não existisse a chuva.

Eu gostaria de lhe dizer

Tudo o que Deus planejou.

Mas se eu dissesse, você não entenderia.

Mas de uma coisa eu tenho certeza:

Embora minha vida na terra tenha terminado,

Eu estou mais perto de você

Do que já estive.

Existem pedras no seu caminho

E muitas montanhas para escalar

Mas juntos, nós podemos fazer isto

Um pouquinho cada dia.

Sempre foi a minha filosofia,

E eu gostaria que fosse a sua também:

O que você dá ao mundo,

O mundo lhe dá de volta.

E agora eu estou feliz,

Pois a minha vida valeu a pena.

Sabendo que quando passei na terra

Eu fiz alguém sorrir.

Quando você estiver andando na rua

Pensando em mim,

Eu estarei acompanhando-o apenas um passo atrás

E quando chegar a hora de você ir

Deixar este corpo para se sentir livre.

Lembre-se que você não está indo,

Você está vindo para mim.

 

Autoria Desconhecida

Tradução livre de Victor H. Rios

 

>voltar<

 

 

Os Animais de Poder

Desde a antiguidade, segundo registros, existem rituais onde os homens e animais se faziam presentes. Hoje os encontramos em nosso dia a dia na astrologia, na alquimia, nas cartas de tarô entre outros. Existem algumas maneiras de se descobrir o animal que está presente em nosso interior, seja através de ritual, concentração ou mesmo da intuição. Conhecido como Animal de Poder, Espírito Protetor, Totem ou Animal Guardião, estão mais próximos da Fonte Divina. Quando tomamos a consciência de sua existência, fortificamos os poderes que estão escondidos em nosso interior, pois há um aumento de nossa resistência a doenças e de nossa auto-confiança. Cada animal traz uma essência espiritual e, através dela, cada um com seu próprio modo ou estilo de vida, com sua própria medicina, nos leva a crescer e transmite-nos a sua sabedoria.

 

Os animais estão mais próximos do que nós da Fonte Divina por serem míticos, oníricos. Ao compartilharmos de sua consciência animal transcendemos o tempo e o espaço, as leis de causa e efeito. A relação entre homem e animal é puramente espiritual, pois nosso instinto animal é mais forte e menos racional por serem manifestações dos poderes arquétipos do ser humano. Fortificam o vigor físico e mental, aumentando a disposição e o conhecimento, auxiliando ainda no diagnóstico de doenças  e na realização de desafios.

 

Existem rituais, auxiliados pelo tambor que auxiliam na conexão com o animal, onde também são realizadas as Danças do Animal, que é uma forma de invocação. Cada animal possui uma essência, e assim cada um possui sua própria medicina e sabedoria.

 

Abaixo alguns dos animais com seus significados:

 

Águia: Iluminação, a visão interior, invocada para poderes xamânicos, coragem, elevação do espírito a grandes alturas;

Aranha: Criatividade, a teia da vida, manifestação da magia de tecer nossos sonhos.

Abelha: Comunicação, trabalho árduo com harmonia, néctar da vida, organização.

Alce: Resistência, auto-confiança, competição, abundância, responsabilidade.

Antílope: Cautela, silêncio, consciência mística através da meditação, calma, ação.

Baleia: Registros da Mãe Terra, sons que equilibram o corpo emocional, origens.

Beija-Flor: Mensageiro da cura, amor romântico, claridade, graça, sorte, suavidade.

Borboleta: Auto-transformação, clareza mental, novas etapas, liberdade.

Búfalo: Sabedoria ancestral, esperança, espiritualidade, preces, paz, tolerância.

Cabra e Cabrito: Determinação para ir ao topo, nutrição, brincadeiras.

Camelo: Conservação, resistência, tolerância.

Canguru: Proteção maternal, coragem para seguir em frente nas fraquezas.

Castor: Novos canais de pensamentos, construção, segurança, conforto, paciência.

Cisne: Graça, fidelidade, ritmo do Universo, ver o futuro, poderes intuitivos, fé.

Coiote: Malicia, artifício, criança interior, adaptabilidade, confiança, humor.

Coelho: Fertilidade, medo, abundância, crescimento, agilidade, prosperidade.

Condor: Idem a águia, é um dos filhos do Sol no Peru, representa o Mundo Superior.

Coruja: Habilidades ocultas, ver na escuridão, a vigília, a sombra, sabedoria antiga.

Corvo: Guardião da magia, mistério, predições, mensageiro, dualidade, assistência.

Cavalo: Poder interior, liberdade de espírito, viagem xamânica, força ,clarividência;

Cachorro: Lealdade, habilidade para amar incondicionalmente, estar a serviço;

Cobra: Transmutação, cura, regeneração, sabedoria, psiquismo, sensualidade;

Coiote: Malícia, artifício, criança interior, adaptabilidade, confiança, humor.;

Coruja: Habilidades ocultas, ver na escuridão, a vigília, a sombra, sabedoria antiga;

Doninha: Poderes ocultos, vivencia, poder de esconder, observações, segredos.

Elefante: Longevidade, inteligência, memória ancestral, ancestrais enterrados.

Esquilo: Divertimento, planos futuros, reunião, observar o óbvio.

Esturjão: Determinação, sexualidade, consistência, profundidade, ensinamento.

Falcão: Precisão, mensageiro, olhar a volta, abertura a distância, oportunidades.

Formiga: Comunidade perfeita, paciência, trabalho duro, força, resistência, agressividade.

Gaivota: Voar através da vida com calma e esforço para alcançar objetivos.

Gambá: Campo de proteção, reputação, repelir quem não o respeita, respeito.

Gato: Mistérios, poderes mágicos, sensualidade, independência, visões místicas, limpeza.

Galo: Sexualidade, fertilidade, oferendas, cerimônias, altivez.

Girafa: Calma, inspiração para se atingir grandes alturas, suavidade, doçura.

Golfinho: Pureza, iluminação do ser, sabedoria, paz, amor, harmonia, comunicação.

Gorila: Sabedoria, inteligência, adaptabilidade, guardião da terra, habilidade.

Guaxinim: Bom humor, limpeza, sobrevivência, tenacidade, inteligência, folia.

Hipopótamo: Desenvolvimento psíquico, intuição, ligação água-terra, aterramento.

Jacaré: Instinto de sobrevivência, o inconsciente profundo, o caos que precede a criação.

Jaguar: A busca em águas da consciência, mensageiro, interação mente e alma.

Javali: Comunicação entre pares, expressividade, inteligência.

Lagarto: Otimismo, adaptabilidade, regeneração, sonhos, renovação, transformação.

Leão: Poder, força, majestade, prosperidade, nobreza, coragem, saúde, liderança, segurança, auto-confiança.

Leopardo: Conhecimento do subconsciente, compreender aspectos sombrios, rapidez.

Lince: Segredos, conhecimento oculto, tradição, ouvir para o crescimento.

Libélula: Ilusão, ventos da mudança, comunicação com o mundo elemental.

Lobo: Amor, relacionamentos saldáveis, fidelidade, generosidade, ensinamento.

Macaco: Inteligência, bom humor, alegria, agilidade, perícia, irreverência, amizade.

Minhoca: Regeneração, resistência, auto-cura, transformação.

Morcego: Renascimento, iniciação, reencarnação, habilidades mágicas.

Onça: Espreita, proteção de espaço, silencio, observação. Precisão.

Pantera: Mistério, sensualidade, sexualidade, beleza, sedução, força, flexibilidade.

Pato: Desenvolvimento de energia maternal, fidelidade, nutrição energética.

Peru: Dar e receber, transcendência, dádivas, celebração.

Porco-Espinho: Fé, confiança, inocência, inspiração para realizações, dentro da essência.

Puma: Força, mistério, silêncio, sobrevivência, velocidade, graça, liderança, coragem.

Pica-Pau: Regeneração, limpeza, comunicação, proteção, unido aos Espíritos do trovão.

Pingüim: Viver em comunidade, fidelidade, lealdade nos romances.

Pombo: No cristianismo simboliza o Espírito Santo, paz, comunicação, mensagem.

Raposa: Habilidade, esperteza, camuflagem, observação, integração, astúcia.

Rato: versatilidade, alerta, introspecção, percepção, satisfação, aceitação.

Salmão: Força, perseverança, nadar contra a maré, determinação, coragem.

Sapo: Evolução, limpeza, transformação, mistérios, humor, ligado a chuva.

Tartaruga: Estabilidade, organização, longevidade, paciência, resistência, proteção, experiência, sabedoria, Mãe-Terra.

Tatu: Limites, doas dá a armadura, limites emocionais, protege a saúde.

Texugo: Agressividade, coragem, formar, alianças, persistência, agir em crise.

Tigre: Aproximação lenta, preparação cuidadosa, aproveitar oportunidades.

Touro: fertilidade, sexualidade, poder, liderança, proteção, potencia.

Urso: Introspecção, intuição, cura, consciência, ensinamentos, curiosidade.

Vaga-Lume: Iluminação, entendimento, força de vida, luz e escuridão, maravilhas.

Veado: Delicadeza,sensitividade, graça, alerta, adaptabilidade, coração/espírito, gentileza.

 

>voltar<