Seja um Ativista Seja um Associado Faça uma Doação Lojinha Adote Sobre a PEA

Página Inicial

 

Ajude a combater os maus tratos e o abandono de animais. Seu apoio é muito importante.

Faça a Diferença

Clique Aqui

Você também pode ajudar

efetuando sua contribuição nos bancos abaixo

 

Banco Itaú

 Agência: 1574

Conta Corrente: 22004-0

 

Bradesco

  Agência: 0665-3

Conta Corrente: 127.526-7

 

CNPJ: 05.872.606/0001-30

 
Acesse, Copie, Divulgue

 

 

Siga a PEA

 

 

Cuidados Especiais


Ferrets

 

Importação/Comercialização

Perguntas que Não Calam

O Problema é Ainda Maior

Desabafo/Pedido de Ajuda

O Diário de um Ferret

Doenças e Tratamentos

Apresentação em PPS sobre Ferrets

Fotos

Nosso Apelo

Sites

 

 

Importação/Comercialização

Para quem não sabe, os FERRETS que vivem no Brasil são importados por uma empresa de nome PRO PET – PROFESSIONAL PET SUPPLIERS, a qual, além de importar o animal, importa a ração, e controla a distribuição de vacinas em SP, sem nenhum concorrente, estando, portanto, livre para arbitrar valores e informações.

 

No Brasil, não há nada de ilegal em ter Ferrets, desde que cheguem ao país microchipados, e sejam castrados, conforme determinação do IBAMA.

 

Os Ferrets importados pela PRO PET, todos de origem americana e, em sua maioria, nascidos na fazenda MARSHALL (EUA), trazem, pois, um microchip sob a pele, contendo um número de identificação. Ao comprar o Ferret, o dono assina um documento contendo seus dados pessoais e aquele número.

 

No entanto, a MARSHALL PETS, o IBAMA, e a própria PRO PET não fazem o monitoramento a respeito do que acontece com os Ferrets nos Pet Shops brasileiros. Uma vez que hoje o valor médio de um animal equivale a R$ 1.000,00, alguns Ferrets chegam a ficar meses e até anos em gaiolas minúsculas, sem espaço para se movimentaram, ração adequada, cuidados de um veterinário, vacinação regular e adequada. Sem a garantia (previsão) de venda e, em virtude da falta de cuidados decorrentes dos problemas acima apontados, muitos animais adoecem e morrem.

 

Dessa forma, apesar das Leis dos Direitos dos Animais, NÃO existe fiscalização por parte dos órgãos competentes, NÃO existe a informação e NÃO existe um abrigo, uma ONG, uma associação, NÃO existe nada para ajudar esses animais.

 

>voltar<

 

 

Perguntas que Não Calam:

Por que se é permitido a importação de animais tão caros e delicados, sem acompanhamento de vendas e de encomendas?

 

Existe alguma LEI que determine quando tempo um animal pode ficar enjaulado em exposição em um Pet Shop?

 

Existe alguma LEI que determine o horário de funcionamento de um Pet Shop?

 

O que acontece com os animais que lá ficam após o expediente, nos domingos e nos feriados?

 

Quem alimenta e protege os animais de companhia que não são estimados por quem os comercializa?

 

O que mais existe por trás disso, que desconhecemos, já que o mercado de produtos para Pets é um dos mais lucrativos, e está em expansão?

 

Não parece estranho que somente uma única empresa tenha descoberto esse filão?

 

Será que outras empresas são impedidas pela burocracia das importações, para assim se mantenha o monopólio? E, sem concorrência, os donos de Ferrets ficam sem opções, sendo obrigados a utilizar os únicos produtos comercializados nos valores arbitrados pelos detentores do monopólio de produção e comercialização, implorando para que os produtos necessários à manutenção dos animais não faltem nas prateleiras.

 

O que de fato está acontecendo no mercado? Será que por não serem animais da fauna nativa, não merecem nosso respeito?

 

Será que por conta do alto valor a eles arbitrados, eles foram elitizados, e por isso não tem direito a ajuda gratuita e humanitária prestada aos cães,  gatos e mico-leão-dourados?

 

>voltar<

 

 

O Problema é Ainda Maior

Mas o problema não termina aqui, pois mesmo após todo o sofrimento de um Ferret para vir para o Brasil (castração, microchipagem, transporte, passagem pela alfândega, quarentena, distribuição pelos Pet Shops, aprisionamentos em gaiolas, olhares e pegadas curiosas), quando enfim é vendido e encontra um dono, ele nem sempre encontra um bom lar.

 

Muitos Ferrets morrem por ignorância de seus donos. Morrem porque seus donos não tem DINHEIRO para o tratamento quando eles adoecem. Muitos donos de Ferrets estão abandonando seus animais porque a moda passou, porque geram despesas ou porque estão ficando velhos e doentes! É a famosa posse irresponsável.

 

No quesito alimentação, a desinformação impera, e os poucos fabricantes nacionais de ração para Ferrets não atendem às especificações internacionais já testadas e aprovadas, comprometendo a qualidade de sua oferta.

 

Os que não conhecem os Ferrets, ou aqueles que vierem a conhecê-los, nunca imaginariam que alguns são acometidos de tumores ligados às castrações e à falta de função hormonal. Tumores em Humanos são facilmente tratados se diagnosticados em tempo, nos Ferrets também. Ver página Doenças.

 

Infelizmente, há pouca informação sobre esse animal. O pouco que sabemos está em sites e em listas de discussão na internet. Mas isso é insignificante face ao enorme número de brasileiros. As informações precisam ser difundidas à população em geral, aos  veterinários, donos de Pet Shop, políticos e imprensa.

 

>voltar<

 

 

Desabafo - Pedido de Ajuda

Não existem organizações, nem instituições de Defesa dos Animais que conhecem o que é um Ferret.

Nas ONGs brasileiras, não é encontrado um único veterinário disponível que teria condições de avaliar quaisquer sintomas de um Ferret (nem todos os veterinários admitem não saber tratar um Ferret, pois até desconhecem sua existência).

Não existem informações de fácil acesso para a sociedade sobre cuidados, problemas e características sobre esse animal. 

Isso é um absurdo. Esses animais estão correndo perigo, pois uma pessoa sem informação pode facilmente apedrejar um Ferret, por receio de tratar-se de um animal nocivo.

 

Diante disso, no dia 25/11/04, a PEA tomou a iniciativa de divulgar e tentar, de algum modo, ajudar esses animais cedendo um espaço no site. Precisamos colaborar com a vida desses animais! Divulguem essas informações o máximo que puderem!

 

Aos jornalistas, aos políticos, às organizações, às associações, aos órgãos de defesa de animais e à todoas as pessoas que decidirem colocar um fim no Martírio dos Ferrets do Brasil, por favor,  manifestem-se contra essas atrocidades. Se você tem conhecimento de algum Ferret doente, sem tratamento adequado, no vizinho, em algum Pet Shop, divulgue, peça ajuda, escreva, NÃO SE CALE, VOCÊ NÃO ESTÁ SOZINHO!

 
AJUDE OS FERRETS, ELES PRECISAM DE VOCÊ!

 

>voltar<

 

 

O Diário de um Ferret

1ª semana: Hoje completei uma semana de vida. Que alegria ter chegado a este mundo! Como tudo é colorido e belo...

 

2ª semana: Minha mamãe cuida muito bem de mim. É uma mãe exemplar! Me lambe todo e me pega pelo cangote quando acha que vou aprontar... Mas não dói, eu só fico paralisado. Adoro mamar, sou o mais gordinho da ninhada!

 

3ª semana: Hoje me separaram da minha mamãe. Ela estava muito irrequieta e, com seu olhar, disse-me adeus. É, acho que nunca mais vou revê-la. Espero que a minha nova "família humana" cuide tão bem de mim como ela o fez. Confesso que estou assustado, com muito medo!

 

1 mês: Viajei muito, mudei de país. Estou em uma gaiola com outros da minha espécie e não sei direito qual vai ser o meu destino. Dizem que sou o "bicho da moda" e muitas pessoas vêm nos olhar e querem nos fazer carinho! Nossa, como somos amados!

 

2 meses: Como dizem os colegas de "Carandiru", ganhei a condicional, ou seja, fui comprado! Uau, parece que sou caro. Portanto devo valer muito. Tenho a sensação de que serei muito feliz!

 

6 meses: Cresci rápido, tudo me chama a atenção. Há várias crianças na casa e para mim são como "irmãozinhos". Somos muito brincalhões, eles me puxam o rabo e eu os mordo de brincadeira.

 

7 meses: Hoje me deram uma bronca. Minha dona se incomodou porque fiz "caquinha" fora do lugar. Mas o lugar que eu costumo usar estava todo sujo, não havia mais espaço... Não consegui aguentar!!! Ah, mudaram a minha comida. Disseram que a de gato é igual e beeeeeem mais barata! Tudo bem, me adapto facilmente e amo a minha família! Faria tudo por eles...

 

8 meses: Sou um Ferret feliz! Tenho o calor de um lar, sinto-me tão seguro, tão protegido... Acho que a minha família humana me ama e me consente muitas coisas. O pátio é todinho para mim e, às vezes, me excedo, cavando instintivamente a terra como meus antepassados. É a terra de uns tais "vasos de estimação" da minha dona. Ouço uns gritos mas ninguém nunca me chama a atenção. Deve ser correto tudo o que faço.

 

1 ano: Hoje completei um ano. Sou um Ferret adulto. Meus donos me deixam cada vez mais tempo preso na gaiola, mas me tiram para mostrar quando vem visita em casa. Que orgulho devem ter de mim!

 

1 ano e 1 mês: Fico todo o tempo na gaiola, ninguém sequer olha mais para mim. Quase não consigo esticar as patinhas, estou ficando enferrujado sem exercício. Que ironia, me colo nas grades de manhã em busca de um raio de sol e tenho que me esconder no fundo da redinha puída (é a mesma que veio junto quando me compraram) e cheia de buraquinhos à tarde, quando quero alguma sombra. Meus donos dizem que dou muito trabalho. Não compreendo nada do que está acontecendo.

 

1 ano e 3 meses: Já nada é igual... Colocaram a minha gaiola lá no fundo do quintal, sob uma telha de amianto. Como esquenta, fica abafado! Às vezes me falta o ar... Sinto-me muito só. Minha família já não me quer! Às vezes esquecem que tenho fome e sede. Quando chove, o vento traz a chuva e me molho todo. O que será que fiz de tão errado para ser assim castigado? Tento chamá-los para brincar, mas ninguém me ouve. Queria tanto dizer a eles o quanto os amo...

 

1 ano, 4 meses e 1 dia: Hoje me tiraram do fundo do quintal. Estou certo de que minha família me perdoou. Eu fiquei tão contente que pulava com gosto. Meu rabo parecia um ventilador. Além disso, vão levar-me a passear em sua companhia! Nos direcionamos para a rodovia e, de repente, pararam o automóvel. Abriram a porta e me soltaram. Saí correndo feliz, pensando que passaríamos nosso dia no campo. É um parque!!! Não compreendo porque fecharam a porta e se foram. "Ei, eu fiquei, me esperem, quero colo..." Corri sem rumo, muito assustado. Vi o carro se afastando, tentei ainda segui-lo. Minha angústia crescia ao perceber que quase perdia o fôlego e eles não paravam. Haviam me esquecido!

 

1 ano, 4 meses e 2 dias: Procurei em vão achar o caminho de volta ao lar. Estou só e sinto-me perdido! No meu caminho existem pessoas que sequer sabem o que eu sou! Me chamam de rato, gritam, parece que sou perigoso!!! Estou com fome e com sede. Achei uma espécie de lago, bem grande. Tomo água ali. Uma velhinha sentada em um banco me acha engraçado, diz que sou um "esquilinho bonitinho" e me dá pão. Eu como e agradeço com o meu olhar, do fundo de minha alma. Como eu gostaria que me adotassem: seria leal como ninguém! Mas somente dizem: "Que bicho esquisito, será que morde?"

 

1 ano, 4 meses e 3 dias: Hoje muitas crianças vieram ao parque. Lembrei-me dos meus irmãos humanos e bateu uma saudade louca. Me aproximei de um grupo deles que, rindo, me jogou uma chuva de pedras "para ver quem tinha melhor pontaria". Uma dessas pedras feriu-me o olho e, desde então, não enxergo com ele. Sobrevivo já há três dias milagrosamente (já que sou um animal bastante frágil) de migalhas e restos que encontro por aí.

 

1 ano, 4 meses e 4 dias: Parece mentira. Quando eu era filhote, lindo e esperto, todos me adoravam. Agora ninguém tem compaixão de mim. Já estou muito fraco, meu aspecto mudou. Perdi o meu olho e ando meio cambaleante, acho que quebrei uma patinha. As pessoas me ameaçam quando pretendo deitar-me num pequena sombra ou chegar perto. Sinto que minhas forças se esgotam e minha barriguinha dói muito. Tenho medo!

 

1 ano, 4 meses e 5 dias: Quase não posso mover-me! Hoje, ao tentar atravessar uma das clareiras do parque, um homem me chutou. Pegou de raspão mas me jogou longe! Nunca esquecerei o olhar de satisfação dele, que até se vangloriou por acertar-me. Como queria que tivesse me matado! Mas só me deslocou as cadeiras! A dor é terrível ! Minhas patas traseiras não me obedecem e com dificuldade arrastei-me até a relva, na beira do caminho. Faz cinco dias que estou embaixo do sol, da chuva, do frio. Comi muito pouco, nunca havia experimentado nada a não ser ração. Já não posso me mexer, a dor é insuportável! Estou me sentindo mal, fiquei num lugar úmido e parece que até o meu pêlo está caindo... Algumas pessoas passam e nem me vêem; outras dizem: "Credo, não chegue perto".

 

Já estou quase inconsciente, mas alguma força estranha me faz abrir os olhos. A douçura de sua voz me fez reagir. "Meu Deus, um furão. Coitadinho, olha como te deixaram", dizia... Senti uma mão bondosa me pegando no colo e me envolvendo em algo quentinho e macio. Apaguei. Quando acordei, um senhor de avental branco estava me tocando e disse: "Sinto muito, senhora, mas este Ferret já não tem remédio. É um milagre estar vivo!". "Está muito machucado, é melhor que pare de sofrer". A gentil dama, com as lágrimas rolando pelo rosto, concordou. Como pude, mexi o rabo e olhei-a, agradecendo-lhe que me ajudasse a descansar. Em um último esforço, consegui lhe dar uma lambidinha no nariz... Não emiti nenhum ruído, docilmente me submeti à picada da injeção e dormi para sempre. Meu último pensamento foi: porque tive que nascer se ninguém me queria?

 

Fonte: www.ilovemyferret.com.br

 

>voltar<

 

 

Fotos

Oi eu sou um Ferret

Eu sou Frágil e Indefeso

Gostamos de Fazer Amigos

Gostamos de Fazer Amigos

Gostamos de Água

Gostamos de Neve

Somos Brincalhões

Somos Xeretas

Alguns tem Gaiolas

Outros tem Quartos

Isso é Estar Feliz

Principalmente com Companhia

Estamos Doentes

Estamos Doentes

Estamos Doentes

Estamos Doentes

>voltar<

 

 

Nosso Apelo

Divulgue essas páginas, para que em breve, nós, os Ferrets Brasileiros, possamos contar com a ajuda de que tanto necessitamos. Ajuda de instituições, ONG´s e de pessoas. Pessoas como você, que só querem o bem, que tem consciência e sentimentos, que anseiam por um mundo melhor, sem egoísmo e sem crueldade para todos os habitantes deste planeta!

 

Se você tem conhecimento de algum Ferret doente, sem tratamento adequado, no vizinho, no Pet Shop da esquina, divulgue, peça ajuda, escreva. Se você pode ajudar, ou conhece alguém que pode, não se omita, não se cale.

Ajude-nos, nós precisamos de você!

 

E-mail: xeretaferret@ig.com.br 

 

>voltar<

 

 

Sites

E-mail para Contato: FuraoFerretsBrasil@groups.msn.com

 

Sites/Links- Veterinarios Para Ferrets

www.ilovemyferret.com.br/clinicas.htm

www.ferretopolis.hpg.ig.com.br/p/vetspetshop.htm

 

Sites em Português

www.ferretsmania.cjb.net

www.ilovemyferret.com.br

http://ferretopolis.ch-br.net

www.geocities.com/bunny_ferret/bunny.html

http://groups.msn.com/FuraoFerretsBrasil/ferretsdeaz.msnw

 

Sites de Portugal

http://furoes.net

www.furoes.bravehost.com

www.jardimdosferrets.com

www.angelfire.com/art2/bluefairy

http://pwp.netcabo.pt/weasel_furao

http://reinodosfuroes.no.sapo.pt/vencedor_concurso/furao/index.htm

 

Fóruns de Discussão

Orkut: Comunidade Ferrets Brasil

www.ilovemyferret.com.br

http://groups.msn.com/FuraoFerretsBrasil

 

>voltar<