Seja um Ativista Seja um Associado Faça uma Doação Lojinha Adote Sobre a PEA

Página Inicial

Crueldades com Animais
Informações
Fotos e Vídeos
História de uma Raposinha
Panfleto Educacional
Slides
 

Ajude a PEA

 

Ajude a combater os maus tratos e o abandono de animais. Seu apoio é muito importante.

Faça a Diferença

Clique Aqui

Você também pode ajudar

efetuando sua contribuição nos bancos abaixo

 

Banco Itaú

 Agência: 1574

Conta Corrente: 22004-0

 

Bradesco

  Agência: 0665-3

Conta Corrente: 127.526-7

 

CNPJ: 05.872.606/0001-30

 
Acesse, Copie, Divulgue

 

 

Siga a PEA

 

 

Extração de Peles


A História de uma Raposinha - A Verdadeira História por Trás de um Casaco de Peles

 

Olá, meu nome é Vida, sou uma raposa vermelha e tenho 5 anos de idade. Hoje vou contar a história da minha mamãe, que hoje, infelizmente, não está mais aqui entre nós.

 

Minha mamãe era uma linda raposa, jovem, alegre e cheia de vitalidade. Ela tinha um pêlo extremamente brilhante e sedoso. Ela era companheira, cuidadosa, uma mãe exemplar. Compartilhávamos um amor incondicional. Ela nunca me deixava sozinha. Estava sempre ao meu lado, onde quer que eu fosse. Mamãe era perfeita. Nós éramos muito felizes e unidas! Mas, drasticamente, nossas vidas mudaram!

 

Era uma manhã de inverno, eu ainda era um bebê. Eu e minha mamãe brincávamos com a neve que caia. Sempre fazíamos isso, nos divertíamos muito. Resolvemos correr entre as árvores, eu estava na frente e mamãe vinha logo atrás. De repente, escutei um estalo muito alto e um grito de dor. Olhei para trás e vi minha mamãe caída, com sua patinha presa entre enormes garras de ferro. Pela primeira vez em minha vida eu vi sangue. Pela primeira vez eu vi a expressão da dor estampada nos olhos brilhantes de mamãe. Entrei em pânico, o desespero tomou conta de mim. Eu precisava fazer algo, precisava salvar mamãe. Ela gritava de dor, lágrimas escorriam pelos seus olhos, o sofrimento era grande. Ela tentava se soltar, mas não conseguia. Quanto mais ela se esforçava para se libertar, maior ficava o ferimento de sua pata.

 

Mesmo ferida mamãe se preocupava comigo. Mesmo ferida mamãe dizia: Vida mamãe ama você, mamãe não irá lhe abandonar, mas fuja, salve sua vida minha querida filha!

 

Corri, por entre a mata coberta de neve, a procura de ajuda, mas infelizmente não encontrei nada. Voltei para perto de mamãe. Não iria jamais abandoná-la. Ela nunca me deixou sozinha, ela me deu a vida e eu devia muito a ela. Mas, quando cheguei bem próxima a ela, vi um homem grande com uma bota preta pisando em seu pescoço. Mamãe tentava respirar, tentava lutar para sobreviver, mas não conseguia. Ela estava muito fraca, havia perdido muito sangue. Foi então que o homem ergueu um pedaço de pau e bateu com toda a sua força na cabeça da mamãe. Ela caiu, e em seu último suspiro de vida, me pediu, mais uma vez, que corresse. Seus lindos olhos se fecharam eternamente.

 

Escondida, vi o homem arrastando o corpo, ainda quente, de mamãe. Segui o rastro vermelho de sangue que se destacava entre a neve branca. Para onde esse homem estaria levando a minha mamãe? Por que ele a tirou de mim? Por que ele torturou e matou a minha mamãe?  Por que tanto sofrimento? Ela nunca fez mal a ninguém. Eu a amava tanto. Ela tinha tanto a me ensinar. Nós ainda tínhamos tanto a viver... Era difícil de mais, para mim, acreditar no que estava vendo.

 

Por horas a fio segui o rastro da crueldade. Já estava cansada de caminhar quando vi o homem entrar em um lugar escuro. Ele pegou minha mamãe e a jogou em cima de uma mesa manchada de sangue. Com uma faca enorme ele começou a rasgar o corpo dela. Arrancou toda a sua pele e jogou o corpo de mamãe em um saco de lixo. Mamãe estava irreconhecível, sem sua pele linda, sem vida.  Esse homem acabou com uma família. Esse homem destruiu 2 vidas. Mas por que? Por que tanto ódio? O que mamãe havia feito de tão errado para ser assassinada desse jeito! Por alguns segundos fiquei em silêncio, a dor de perder minha mamãe era grande de mais.

 

De repente, escutei muitos gritos. Fui ver o que era... Não... Não podia ser verdade. De um lado de um galpão havia dezenas de jaulas imundas, com um monte de bichinhos peludos como eu. Eu vi bichinhos machucados, mutilados e mortos. Muitos gritavam de fome, sede e frio... Eles tentavam sair das jaulas, mas não conseguiam. Era lugar horrível, triste, fedia a morte. Era muito sofrimento. Do outro lado eu vi um monte de cadáveres ensangüentados. Estavam iguais à mamãe. Ainda estavam quentes, tinham acabado de ser mortos... Mas por que? O que esse homem queria com as peles desses pobres animais? O que ele queria com a pele da minha mamãe?

 

Sai correndo dali, dei a volta no galpão e avistei o homem arrumando um monte de peles. Não estava entendendo o que ele estava fazendo até uma mulher entrar e colocar aquelas peles sobre o seu corpo. Ela saiu feliz carregando em suas costas uma raposa morta. Foi ai que descobri o porquê minha mamãe morreu.

 

Destruída por dentro, fui embora, sem destino... Caminhei sobre a neve gelada sozinha, sem minha mamãe. Pensei em tudo o que vi e senti. Quis morrer ali... Estava muito mal, confusa. Estava triste por não conseguir salvar minha mamãe e os bichinhos que estavam presos naquelas jaulas. Era difícil de mais aceitar o fato de que a morte de bichinhos como eu significava a felicidade de muitos homens e mulheres.

 

Durante anos tentei achar uma justificativa para a covardia que o homem insiste em cometer contra as nossas espécies. Não há argumentos... Infelizmente, entre os seres humanos, existe algo que não há entre nós: a ganância. Por ela, o Homem tortura e mata seres inocentes.

 

Sabe, hoje eu vi minha mamãe... Ela estava enrolada no pescoço de uma mulher. Ela estava bem diferente do que era. O seu pêlo, que antes era lindo, agora estava feio, não tinha mais brilho, não estava mais sedoso. O seu pêlo cheirava a morte e sofrimento.  Eu sinto muita saudade de minha mamãe. Nunca mais a terei de volta. Nunca mais poderei brincar com ela em uma manhã de inverno, pois minha querida mamãe foi cruelmente morta para virar um casaco de peles!

 

Por isso, eu nome de todos os animais que são perseguidos por suas peles, eu imploro a vocês: NÃO USEM PRODUTOS QUE SEJAM FEITOS DE PELES DE ANIMAIS. PELE É SINÔNIMO DE TORTURA E MORTE!

 

Viva sem crueldade!

 

Obrigada

Vida!

 

Autoria Gabriela Toledo-PEA

 

>voltar<